Los discapacitados

4 Abr

 

60Participei de alguns projetos em São Paulo que envolviam adaptações arquitetônicas para melhorar a acessibilidade a edificações. Na maioria deles sugiram grandes discussões a respeito de qual deve ser a maneira adequada para se referir ao público alvo destas reformas.

Nestes casos a  palavra “deficiente”, ainda muito corrente no Brasil, foi sempre descartada, por ser considerada discriminatória e incompleta, já que entende-se que ela não pode ser atribuída a muitos usuários, e um projeto de acessibilidade tem que prever condições de mobilidade universal a todos os cidadãos, envolvendo por exemplo cegos, grávidas, idosos e cadeirantes.

Na maioria das vezes a denominação aceita foi o termo “pessoas com necessidades especiais”, que além de ser uma expressão mais abrangente, também está livre de possíveis interpretações preconceituosas geradas por outras nomenclaturas como aleijado, defeituoso, inválido e mesmo, deficiente.

Logo que comecei a trabalhar como arquiteta em Buenos Aires me deparei com um projeto onde estava previsto um banheiro para discapacitados. Na época achei que fosse um erro causado por algum projetista desinformado e tive esperanças de que alguém corrigisse o grave engano a tempo, mas não foi o que aconteceu.

A partir de então comecei a ver essa expressão por todos os lados, e percebi que é uma denominação corrente na América do Sul.

Ainda hoje sempre que vejo sinalização de acessibilidade universal por aqui me assusto e sinto uma carga de segregação mais forte que a gerada por qualquer outra expressão que tenha ouvido em português. Mas percebi que eu não sou a única pessoa incomodada com a palavra.

Em minha última passagem pelo aeroporto presenciei um mini escândalo de uma brasileira que passava pela fila preferencial e gritava em portunhol: “Usted está jogando en mi cara que yo soy una inválida?”.

Ninguém entendeu nada, mas tenho certeza que a reação desta moça foi por não ter se identificado com a palavra “discapacitada”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Filmes Cult

Dicas de filmes cult e afins espalhados por aí.

Rios & Ruas

Instituto Harmonia - Sustentabilidade

Buenos Aires econômica

Como conhecer a cidade sem gastar muito/ sugestões de passeios menos óbvios/ relatos sobre cultura local.

AnsiaMente

Sobre irritações e inquietudes

Mochila Cult

Confira o blog Mochila Cult e acompanhe dicas legais de viagens e aventuras!!

Dicas Interessantes

idéias interessantes para pessoas inteligentes

Pick Up The Fork

A Serious Eater's Guide to Buenos Aires and Beyond

Aires Buenos

Dicas de turismo de Buenos Aires para brasileiros

Blog dos nossos passeios

As imagens de nossas viagens e encontros

estudio lampada

Diseño sustentable latinoamericano

Infinita Buenos Ayres

toda la info sobre la reina del plata

ver para crear

blog de diseño gráfico, web y mucho más...

Veganismo

"Doctrina en la cual el hombre vive sin explotar a los demás animales." D. Watson

Grupo Metrópole Fluvial

Grupo de Pesquisa em Projeto de Arquitetura de Infraestruturas Urbanas Fluviais – FAU USP

Dora Brasil Arquitetura

Arquitetura l Sustentabilidade l Segurança

Arquitetura Contemporânea

Just another WordPress.com site

AS Miceli

Facultad de Arquitectura, Diseño y Urbanismo - Universidad de Buenos Aires

Faneroscopio

Blog de Diseño y Arquitectura

%d bloggers like this: